Tanatologia

Pós-Graduação Presencial

Apresentação

O curso de pós-graduação em Tanatologia: “educação para Vida e para morte” foi planejado, e estruturado, de forma a fundamentar a prática em Tanatologia, como abordagem necessária a compreensão de seus temas: morte, morrer, trauma, separação, apego, luto, perdas, suicídio, urgências em crises, catástrofes naturais, comunicação de notícias difíceis, cuidados paliativos, finitude, educação para morte e espiritualidade como sendo parte integral da vida humana.
O tanatologo ou tanatologista, independente da área de atuação profissional, será guiado (em suas análises, avaliações e intervenções) por recursos científicos, atitudes estéticas e terapêuticas, possibilitando a compreensão de que o homem é um ser bio-psico-social-espiritual e estes setores de sua vida são interligados, um compõe o outro a formar um todo. Aprenderá o cuidado humano, em tanatologia, no hospital, na clínica, na escola, na empresa, na comunidade e na família; contribuindo para uma melhor relação entre equipe de saúde e ou educação, pacientes e familiares. 

Objetivos:
* Capacitar profissionais da área da saúde, humanas, educação e interessados em compreender o tema, a trabalhar com as temáticas tanatológicas.
* Favorecer aos profissionais subsídios teóricos para o cotidiano de suas atividades no campo da clínica, hospital, escola, empresa e comunidade com diferentes públicos, contextos e populações.
* Discutir, refletir e vivenciar nova perspectiva para lidar com as perdas, a separação, com a morte, o morrer, suicídio, cuidados paliativos, comunicação de notícias difíceis, urgência e emergência em crises e catástrofe naturais, processo de luto, trauma, finitude, espiritualidade e educação para vida e para morte.
* Contribuir com indicações de recursos (científico, estético, artístico, cultural, educacional, filosófico e espiritual) que auxiliam como terapêuticos e melhoraram a qualidade da prestação de serviço profissional em seu cotidiano de trabalho;
* Iniciar o processo de educação para a vida e para morte. 

Público-Alvo: 
Profissionais de Saúde, Humanas e Educação: psicólogo, musicoterapeuta, assistente social, enfermeiros, médico, educadores físicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, cirurgião-dentista, terapeuta ocupacional, pedagogo, teólogo, filósofo, administrador, advogado, arterapeuta, antropólogo, sociólogo, comunicador social, educador, bombeiro, policial. Dentre outros interessados no tema e estudante das áreas citadas e afins. Ainda os chamados profissionais do necrosistema morte: religioso, tanatopraxista, agente funerário, motorista, acompanhante terapêutico, capelão, agente penitenciário, socorrista, agente comunitário de saúde, líder comunitário e auxiliar de enfermagem.

Formato do Curso:
As Aulas acontecem aos sábados e domingos, uma vez ao mês, das 8 às 18h. 



Disciplinas

  • Definições e conceitos sobre tanatologia. Evolução histórica da Tanatologia no Mundo, Brasil e no Piauí. Visão geral sobre temas da tanatologia: morte, morrer, perdas, separação, apego, luto, trauma, suicídio, urgências em crises, catástrofes naturais, comunicação de notícias difíceis, cuidados paliativos, finitude e espiritualidade, educação para morte, as pessoa gravemente enferma. Sobre o suicídio. Tanatologia e cursos de saúde e educação no Brasil e mundo.
  • Conceito de morte na atualidade. Medo e Negação da morte. Tabu da morte. O homem, a morte e o morrer na história do Ocidente e do Oriente. Antropologia da morte e do luto. Ritos de passagem na morte, do morrer. Configurações do luto em outras culturas. Psicologia social da morte e do morrer.
  • A morte como parte da visão do homem que um determinado sistema filosófico. Alguns dos grandes sistemas filosóficos determinantes da cultura ocidental: a visão platônica, aristotélica e neo-platônica, a visão judeu-cristã, a visão moderna e a contemporaneidade. A negação da morte. Fenomenologia. Existencialismo.
  • Apresentar as bases teóricas que fundamentam as teorias da psicologia: Comportamental, Cognitiva, Psicanálise, Junguiana, Gestalterapia, Abordagem Centrada na Pessoa, Psicodrama, Teorias Corporais, Logoterapia e Transpessoal.
  • Desenvolvimento emocional e cognitivo da criança e adolescente. Luto e Infância – A criança diante da morte O conceito de morte para criança e adolescente. Evolução do conceito de irreversibilidade da morte para a criança. Adolescência e morte. O adoecimento infantil: Psiconcologia infantil e doenças crônicas na infância. Luto e adolescência. Medo e fascinação pela morte.
  • Desenvolvimento emocional e cognitivo do adulto e do idoso. Características da morte na vida adulta. O conceito de morte para adulto e idoso. Luto familiar diante da perda do filho. Envelhecimento e morte.
  • O luto e o sistema familiar. O trauma da perda. A morte no ciclo vital da família. O luto no ciclo vital da família. Luto antecipatório caracterizações. Quando morre uma criança. Crianças que perdem um genitor. Quando morre um genitor. Viuvez e gênero. Papel do profissional com a família. Modelos de intervenção familiar.
  • Principais conceitos em saúde mental e psicopatologias. Reflexão acerca do significado afetivo-profissional atribuído à vida, à morte e morrer, e aos sentimentos associados a perdas em saúde mental. Morte e luto no DSM V, CID 10. Noções de doenças psiquiátricas. Anamnese psiquiátrica e indicações terapêuticas em relacionadas à morte e luto. Transtorno de estres pós-traumático e Transtorno do estres agudo. Critérios para diagnóstico diferencial. Álcool e outras drogas como processo tanático. Caracterização: tristeza, pesar, melancolia, depressão maior, trauma e stress pós-traumático. Resiliência em luto.
  • Considerações sobre perdas no desenvolvimento humano. Teoria da formação e rompimento dos vínculos afetivos (Teoria do Apego). Conceitos gerais sobre processo de luto, perdas no ocidente. Luto como processo. Fases, tarefas e trabalho de luto. Teorias do processo de luto. Modelo de processo dual do luto. Luto normal, luto antecipatório e luto complicado. Luto nas diferentes etapas da vida. Diferentes tipos de Perdas e Luto: reais e simbólicas. Mediadores do luto. Fatores de risco e proteção. Trauma. Luto em tipos especiais de perdas: AIDS, natimortos, suicídio, assassinato, aborto, morte súbita, câncer e outras. Caracterização: tristeza, pesar, melancolia, depressão, trauma e stress pós-traumático. Resiliência em luto.
  • Avaliação da necessidade de intervenção psicológica em processo de luto. Diferentes categorias de luto normal e complicado. Avaliação do luto normal x luto complicado. Avaliação do comportamento e ideações suicida. Escalas.
  • Os objetivos da terapia do luto. Intervenções terapêuticas no processo de luto. Técnicas de intervenção. Procedimentos, técnicas e tempo para a terapia do luto segundo William Worden. Interveções em diferentes estágios do desenvolvimento humano. Intervenções no processo de luto na familia. Resolução do luto complicado. Intervenção individual e em grupo.
  • Apresentar as bases teóricas que fundamentam a psiconcologia e seu campo de estudo, e, manejo dos pacientes nas várias fases e situações de enfrentamento da doença (câncer) e da morte, morrer no seu contexto bio-psico-social e espiritual.
  • Diagnóstico, tratamento, recidiva e proximidade da morte. Doenças crônicas e aspectos psicossomáticos. Reações Psicológicas à Infecção - HIV e à AIDS. Intervenção na Prevenção Primária, Intervenção no Apoio a Sujeitos Afetados.
  • Aspectos Histórico-Culturais dos cuidados paliativos. Aspectos físicos e psicológicos dos cuidados paliativos. Bioética nos cuidados no fim da vida; em busca da dignidade no fim da vida. Pacientes fora de possibilidades curativas. O cuidado à família do paciente gravemente enfermo. Como morrer com dignidade, ‘boa morte’. Cuidados Paliativos na infância. Intervenção Psicológica: Intervenção na Prevenção Primária. Intervenção no Apoio a Sujeitos Afetados. Cuidando dos que ficam – A família e a morte. Cuidados paliativos no atendimento hospitalar, domiciliar e clínico. Espiritualidade em cuidados paliativos.
  • Estados vegetativos persistentes, Diagnóstico de morte encefálica. Ética do cuidar, bioética na morte e no morrer, paradigmas de curar e de cuidar. Captação de órgãos. Direitos do paciente. Realidade bioética brasileira. Distanásia, ortotanasia, eutanásia.
  • Princípios básicos da boa comunicação. Comunicação de notícias difíceis. Comunicação no processo de morrer. Comunicação nos últimos dias de vida. Comunicação com familiares. Comunicação de más notícias em oncologia no tratamento de crianças e adolescentes. Como falar sobre morte com que está morrendo. Como comunicar situações difíceis no tratamento. Relação de competências de acordo com o Protocolo SPIKES.
  • Suporte psicológico para situações de perdas e luto. Objetivo do aconselhamento. Identificação de enlutados de risco. Princípios e procedimentos do aconselhamento no luto. Técnicas de aconselhamentos segundo William Worden. Aconselhamento do luto individual e em grupo. Facilitação do luto pelo ritual fúnebre. Facilitação do luto não complicado.
  • Teorias sobre suicídio. Identificar os comportamentos ideações, comportamentos auto-destrutivos e suicidas. Tipos suicidas segundo Durkheim. Relações do suicídio com os demais fatores sociais. Meios de comunicação de massa. Verificar as principais variáveis associadas ao suicídio. Fatores de ricos e fatores de proteção ao óbito autoprovocado. O suicídio no Brasil e no Mundo.
  • Os conceitos de prevenção e posvenção do suicídio. Intervenções para prevenir o suicídio. As diferentes formas de atuação da comunidade de profissionais da rede psicossocial. Abordagem, negociação e salvamento em situações de crises. Como noticiar o óbito autoprovocado. O CVV. Manejo psicoterapêutico com comportamento suicida e intervenções em situações de crise. Comitê Estadual de Prevenção ao Suicídio. Luto por suicídio. Grupo de apoio a sobreviventes.
  • Aspectos introdutórios da gestão de riscos e desastres; Definições de ameaça, desastre, emergência, risco, vulnerabilidade, calamidade; O Marco de Hyogo e a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC); Aspectos psicossociais e intervenção em situações de desastres, catástrofes e calamidades; Manejo terapêutico; Defesa Comunitária e Resiliência; Preparo profissional; Desastres no Brasil.
  • Reflexões sobre como cada profissão compreende a morte e o morrer. O cuidado no processo do morrer. Cuidado antes, durante e depois do morrer. Discussão sobre o papel do profissional atuando de forma independente ou como membro da equipe multiprofissional de saúde. Papel das profissões relacionado à morte e luto. Intervenções ou procedimentos do psicólogo, musicoterapeuta, assistente social, enfermeiros, médico, educadores físicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeuta ocupacional, pedagogo, teólogo, filósofo, administrador, advogado, arterapeuta, antropólogo, sociólogo, comunicação social, educador, bombeiro, policial e estudante das áreas citadas e afins. Religioso, tanatopraxista, agente funerário, motorista, acompanhante terapêutico, capelão, agente penitenciário, socorrista, agente comunitário de saúde e auxiliar de enfermagem. Mercado de trabalho e a tanatologia. Inclusão da tanatologia nos currículos das formações profissionais. Tanatologia como: ofício, disciplina, especialidade e projeto profissional.
  • Comportamento do profissional de saúde em situação de morte e morrer. A relação da equipe com a família em situação de perda. Mecanismos de defesas dos profissionais diante da morte e do morrer. Influência da tecnologia na escolha dos procedimentos terapêuticos. O necrosistema e os profissionais de saúde. O profissional que trabalha com luto: como se preparar e como se cuidar. O luto e finitude do profissional. Papel da tanatologia hospitalar.
  • Estudo das grandes religiões da humanidade, no que diz respeito à visão de cada uma delas sobre a morte e o pós-morte. Ênfase sobre as religiões como maior presença em nossa cultura e em nosso país: catolicismo, igrejas cristãs reformadas, Kardecismo, umbandismo, judaísmo, islamismo, budismo, igrejas pentecostais. Abordagem sobre a visão agnóstica e ateia, como bruxaria, nova Era. Papel do profissional na interação das expressões de espiritualidade em enlutados.
  • Reflexões introdutórias sobre a crise de paradigmas da modernidade. Elementos para a construção de um paradigma emergente. A crise de paradigmas como crise civilizatória. O sujeito da Educação como um ser multidimensional. A dimensão espiritual como dimensão do sujeito em Educação. A morte no contexto de uma concepção espiritualista da vida. Processo de “educação para a vida e para a morte”.
  • Grupo de Suporte a enlutados. SERTAO: Serviço Tanatológico Organizacional. Danças Circulares. Biblioterapia. Acupuntura, Arterapia, RIME: Relaxamento, Imagens Mentais e espiritualidade. Terapias Integrativas e Complementares: Yoga, Mindfulness, Meditação, Mudras e Mantras, Massagens, Toques Terapêuticos, Radiestesia Aplicada à Saúde. Fitoterapia, Reflexologia, Shiatsu, Terapia Flora. Música como recurso. Musicoterapia em Tanatologia. Resiliência. Cinema. Poesia. Literatura. Aspectos Jurídicos em Tanatologia. Tanatologia e as profissões. Valorização da Vida.
  • Realização de atividades tanatológicas em grupo e individual. Atividades de apoio em velório, grupo de suporte a enlutados. Comitê Estadual de Prevenção ao Suicídio. Práticas em comunidades, hospital, clínica, empresa, escola, centros religiosos, empresas funerárias, ONG. Desenvolvimento de projetos e programas. Treino do aconselhamento a enlutados. Visita a lugares tanatológicos como IML, cemitérios e outros. Vivências em grupo em sala de aula. Pesquisas sobre intervenções em tanatologia. Orientações para relatório final.
  • Elaboração de projeto interventivo na temática tanatológica para estágio, em grupo e individual. Apresentação coletiva das atividades desenvolvidas em campo durante os estágios em tanatologia. Pesquisas sobre intervenções em tanatologia. Avaliação das atividades de estágio. Apresentação do Relatório Final das Vivências Práticas em Tanatologia: atuação tanatológica.
  • Orientações e produção de artigo. Acompanhamento da evolução da escrita do artigo. Avaliação do artigo.
  • Discute o desenvolvimento humano e aspectos relacionados a aprendizagem para organização da prática docente em âmbito acadêmico, considerando a didática como princípio de organização técnica-pedagógica. Apresenta formas de organização de planejamento, ensino e avaliação de conteúdo, focando no trabalho com as Metodologias Ativas de Aprendizagem. Estas, por sua vez, possibilitam que os estudantes sejam autores e pesquisadores no seu processo de construção de conhecimento.
  • Aborda as diferenças entre os tipos de conhecimento, colocando os diferenciais do conhecimento científico e como funciona a sua produção através de diferentes métodos e técnicas de pesquisa. Apresenta processos de análise de fatos, dados, teorias e revisão literária, apontando como elaborar um texto científico, considerando os padrões éticos de pesquisa e autoria, de acordo com as normas da ABNT.

(*) Estas disciplinas serão desenvolvidas por situações de CDE – Centro Digital de Estudos.

Diferenciais

  • Aulas presenciais com as maiores referências na área.

  • Seu certificado emitido pela Faculdade que é nota MÁXIMA (5) no MEC.

  • Corpo docente de diferentes regiões do Brasil composto por mestres e doutores em sua maioria.

  • Curso com a qualidade CENSUPEG, instituição reconhecida por ter uma das maiores e melhores estruturas de pós-graduação na modalidade presencial do Brasil.